Organismos internacionais de saúde animal se manifestam sobre a Covid-19

26 de março de 2020

A Organização Mundial da Saúde Animal (OIE, sigla em inglês) voltou a se manifestar nesta semana sobre a Covid-19 e reafirmou que, até o momento, não há evidências de que os animais de estimação desempenhem algum papel na disseminação da doença causada pelo novo coronavírus (SARS-Cov-2).

Para facilitar o entendimento, a OIE organizou um conteúdo didático, em formato de perguntas e respostas, que detalha o que são os coronavírus; como se dá a transmissão; se humanos podem contaminar animais e vice-versa; quais são as precauções dos tutores positivos de Covid-19 na convivência com seus animais de estimação; como os serviços veterinários nacionais e internacionais podem contribuir; e o que a própria OIE está fazendo diante da pandemia. Confira o conteúdo traduzido.

Atenta às demandas dos profissionais e da sociedade, a Associação Mundial de Veterinários de Pequenos Animais (WSAVA, sigla em inglês) também divulgou material com informações consistentes para que os médicos-veterinários tenham suporte para lidar com as preocupações dos clientes. Para facilitar, estão disponíveis em português as perguntas que complementam o material da OIE.

Para tranquilizar os tutores de animais, a WSAVA ainda publicou documento relatando que não há nenhuma evidência de que a Covid-19 possa ser contraída por animais de estimação. O conteúdo completo em inglês está acessível no site da associação.

Serviços veterinários essenciais

Nesta semana, as agências internacionais atuaram para convencer os governos de que os serviços veterinários são essenciais à população. A OIE e a Associação Mundial de Veterinária (WVA, sigla em inglês) emitiram nota conjunta defendendo que os serviços veterinários e de nutrição animal são essenciais para a saúde pública, especialmente na prevenção de doenças, no gerenciamento de emergências e enfretamento de pandemias, como a que ocorre atualmente. Confira o posicionamento conjunto das entidades (texto em inglês).

A WSAVA reforçou o coro de que os serviços veterinários sejam globalmente classificados como essenciais. A entidade, que representa mais de 200 mil veterinários em todo o mundo, por meio de 113 associações, destacou que os médicos-veterinários e suas equipes são qualificados e têm competência para prestar os cuidados médicos essenciais aos animais, garantindo saúde e bem-estar, com capacidade para mitigar os riscos de disseminação do vírus. Leia nota completa (em inglês).

Fontes oficiais

Para evitar a disseminação de informações equivocadas, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) recomenda que os profissionais sempre busquem informações em fontes oficiais, sejam elas nacionais, como o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa); ou internacionais, a exemplo da Organização Mundial da Saúde (OMS), OIE, WVA e WSAVA.

O CFMV, assim como as entidades internacionais, alerta que essa é uma situação em rápida evolução e as informações são atualizadas à medida que ficam disponíveis. Também reconhece que nem todas as recomendações serão aplicadas a todas as áreas ou regiões em todos os momentos, dependendo do risco epidemiológico e da mitigação de riscos. O conselho ainda incentiva que os médicos-veterinários mantenham contato próximo à autoridade veterinária local e sigam suas instruções.
 

PERGUNTAS E RESPOSTAS DA OIE
(última atualização: 23/03/2020)

O que causa a COVID-19?

Os coronavírus (CoV) são uma família de vírus de RNA (ácido ribonucleico). Eles são chamados coronavírus porque a partícula do vírus exibe uma característica 'coroa' (coroa) de proteínas espigadas em torno de seu envelope lipídico. As infecções por CoV são comuns em animais e humanos. Algumas cepas de CoV são zoonóticas, o que significa que podem ser transmitidas entre animais e humanos, mas muitas cepas não são zoonóticas.

Em humanos, o CoV pode causar doenças que variam do resfriado comum a doenças mais graves, como a Síndrome Respiratória no Oriente Médio (causada pelo MERS-CoV) e a Síndrome Respiratória Aguda Grave (causada pelo SARS-CoV). Investigações detalhadas demonstraram que o SARS-CoV foi transmitido de civetas para humanos e o MERS-CoV, de dromedários para humanos.

Em dezembro de 2019, foram relatados casos humanos de pneumonia de origem desconhecida na cidade de Wuhan, província de Hubei, na China. Um novo CoV foi identificado como o agente causador pelas autoridades chinesas. Desde então, casos humanos foram relatados pela maioria dos países do mundo e o evento Covid-19 foi declarado pela OMS como uma pandemia. Para informações atualizadas, consulte o site da OMS.

O CoV que causa a Covid-19 foi nomeado como SARS-CoV-2 pelo Comitê Internacional de Taxonomia de Vírus (ICTV); esse é o nome científico. O vírus também pode ser referido como "o vírus Covid-19" ou "o vírus responsável pela Covid-19", sendo Covid-19 referente à doença causada pelo vírus.

Os animais são responsáveis pela Covid-19 nas pessoas?

A via de transmissão predominante do vírus é de humano para humano. As evidências atuais sugerem que ele emergiu de uma fonte animal. Estão em andamento investigações para encontrar essa fonte (incluindo as espécies envolvidas) e estabelecer o papel potencial de um reservatório de animais nessa doença. No entanto, até o momento, não há evidências científicas suficientes para identificar a fonte ou explicar a rota original de transmissão de uma fonte animal para o homem.

Os dados da sequência genética revelam que o vírus Covid-19 é um parente próximo de outros CoV encontrados circulando em populações de morcegos Rhinolophus (morcego-ferradura). Existe a possibilidade de que a transmissão ao homem envolva um hospedeiro intermediário.

As prioridades da pesquisa para investigar a fonte animal foram discutidas pelo grupo consultivo informal da OIE sobre o Covid-19 e apresentadas no Fórum Global de Pesquisa e Inovação da OMS (11 e 12 de fevereiro de 2020) pelo presidente do Grupo de Trabalho sobre Vida Selvagem da OIE. Para obter mais informações, consulte os links em "mais informações", na parte inferior da página da OIE.

Os seres humanos podem transmitir o vírus Covid-19 aos animais?

Agora que as infecções pelo vírus Covid-19 estão amplamente distribuídas na população humana, existe a possibilidade de alguns animais serem infectados por meio do contato próximo com seres humanos infectados. Até o momento, sabe-se que dois cães testaram positivo para o vírus Covid-19 após contato próximo com humanos infectados.

Estão em andamento estudos para entender melhor a suscetibilidade de diferentes espécies animais ao vírus e avaliar a dinâmica da infecção em espécies animais suscetíveis.

Atualmente, não há evidências de que animais infectados por seres humanos estejam desempenhando um papel na disseminação do novo coronavírus. Os surtos humanos são causados por contato pessoa a pessoa.

Estão em andamento estudos para entender melhor a suscetibilidade de diferentes espécies animais ao vírus Covid-19 e avaliar a dinâmica da infecção em espécies animais suscetíveis.

Atualmente, não há evidências que sugiram que animais infectados por seres humanos estejam desempenhando um papel na disseminação do Covid-19. Os surtos humanos são causados por contato pessoa a pessoa.

O que sabemos sobre o vírus Covid-19 e animais de companhia?

A propagação atual do Covid-19 é resultado da transmissão de humano para humano. Até o momento, não há evidências de que os animais de companhia espalhem a doença. Portanto, não há justificativa para tomar medidas contra animais de companhia que possam comprometer seu bem-estar.

Os serviços veterinários de Hong Kong relataram à OIE evidências de que dois cães foram infectados com o Sars-CoV-2 após exposição a proprietários que estavam com a Covid-19 –  consulte Notificação Imediata (1/3/2020) e Relatório de acompanhamento nº 1 (8/3/2020) e Relatório de acompanhamento nº 2 (16/3/2020) e Relatório de acompanhamento nº 3 (23/3/2020). O teste, realizado por PCR em tempo real, mostrou a presença de material genético do vírus Covid-19. O cão não apresentava sinais clínicos da doença.

Não há evidências de que os cães tenham um papel na disseminação desta doença humana ou que fiquem doentes. Estudos adicionais estão em andamento para entender se e como animais diferentes podem ser afetados pelo novo coronavírus. A OIE continuará fornecendo atualizações à medida que novas informações estiverem disponíveis.

Que medidas de precaução devem ser adotadas pelos proprietários quando companheiros ou outros animais têm contato próximo com humanos doentes ou suspeitos de Covid-19?

Não há relatos de animais acompanhantes ou outros animais que apresentem sinais clínicos causados pela infecção pelo vírus da Covid-19 e, atualmente, não há evidências de que eles desempenhem um papel epidemiológico significativo nessa doença humana. No entanto, como animais e pessoas às vezes podem compartilhar doenças (conhecidas como doenças zoonóticas), ainda é recomendável que as pessoas doentes com a Covid-19 limitem o contato com companheiros e outros animais até que mais informações sejam conhecidas sobre o vírus.

Ao manusear e cuidar de animais, sempre devem ser implementadas medidas básicas de higiene. Isso inclui lavar as mãos antes e depois de andar ou manusear animais, alimentos ou suprimentos, além de evitar beijar, lamber ou compartilhar alimentos.

Quando possível, as pessoas que estão doentes ou sob atendimento médico para a Covid-19 devem evitar contato próximo com seus animais de estimação e ter outro membro realizando o cuidado deles. Essa pessoa deve manter boas práticas de higiene e usar uma máscara facial, se possível.

O que os serviços veterinários nacionais podem fazer com relação aos animais de companhia?

Os serviços de Saúde Pública e Veterinária devem trabalhar juntos, usando a abordagem de Saúde Única para compartilhar informações e realizar uma avaliação de risco quando uma pessoa com a Covid-19 relatar estar em contato com companheiro ou outros animais.

Se uma decisão for tomada como resultado de uma avaliação de risco para testar um animal de companhia que tenha tido contato próximo com uma pessoa ou proprietário infectado, é recomendável que o RT-PCR seja usado para testar oral, nasal e fecal/amostras retais.

Embora não haja evidência de que uma infecção por Covid-19 se espalhe de um animal para outro, manter os animais com teste positivo para o novo coronavírus longe de animais não expostos deve ser considerado uma boa prática.

Existem precauções a tomar com animais vivos ou produtos animais?

Embora haja incerteza sobre a origem do vírus da Covid-19, de acordo com os conselhos oferecidos pela OMS, como precaução geral, ao visitar mercados de animais vivos, úmidos ou de produtos de origem animal, devem ser aplicadas medidas gerais de higiene. Isso inclui lavar as mãos regularmente, com sabão e água potável, após tocar em animais e produtos de origem animal, além de evitar tocar olhos, nariz ou boca, evitar contato com animais doentes ou produtos animais estragados. Qualquer contato com outros animais possivelmente vivendo no mercado (por exemplo, gatos e cães vadios, roedores, pássaros, morcegos) deve ser evitado. Devem-se tomar precauções para evitar o contato com resíduos ou fluidos de animais no solo ou nas superfícies de lojas e instalações de mercado.

As recomendações padrão, emitidas pela OMS para impedir a disseminação da infecção, incluem lavagem regular das mãos, cobertura da boca e nariz com o cotovelo ao tossir e espirrar e evitar contato próximo com qualquer pessoa que mostre sintomas de doença respiratória, como tosse e espirro.

De acordo com as boas práticas gerais de segurança alimentar, carne crua, leite ou órgãos de animais devem ser manuseados com cuidado, para evitar a possível contaminação cruzada com alimentos não cozidos. A carne de gado saudável, preparada e servida de acordo com os bons princípios de higiene e segurança alimentar, permanece segura para comer. Outras recomendações da OMS podem ser consultadas aqui.

Com base nas informações atualmente disponíveis, não são recomendadas restrições comerciais a animais ou produtos animais. Da mesma forma, as precauções para os materiais de embalagem são desnecessárias além da observação da higiene básica, como garantir que ele esteja limpo e livre de contaminação visível.

Quais são as responsabilidades internacionais da autoridade veterinária neste evento?

A detecção do vírus Covid-19 em animais atende aos critérios de notificação à OIE pelo World Animal Health Information System (WAHIS), de acordo com o Código de Saúde Animal Terrestre da OIE, como uma doença emergente.

Portanto, qualquer detecção do vírus Covid-19 em um animal (incluindo informações sobre as espécies, testes de diagnóstico e informações epidemiológicas relevantes) deve ser relatada à OIE.

É importante que as autoridades veterinárias se mantenham informadas e em estreita ligação com as autoridades de saúde pública e os responsáveis pela fauna silvestre, para garantir mensagens de comunicação e gerenciamento de riscos coerentes e apropriadas.

É importante que a Covid-19 não leve a medidas inadequadas contra animais domésticos ou selvagens que possam comprometer seu bem-estar e saúde ou ter um impacto negativo à biodiversidade.

Em alguns países, os serviços veterinários nacionais estão atuando em funções chave na resposta à saúde pública, como triagem e teste de amostras de vigilância e diagnóstico em humanos. As clínicas veterinárias, em alguns países, também estão apoiando a resposta à saúde pública doando materiais essenciais, como equipamentos de proteção individual e ventiladores.

O que a OIE está fazendo?

A OIE está em contato com sua representação regional na Ásia e no Pacífico, delegados dos países-membros da OIE, o Grupo de Trabalho sobre Vida Selvagem da OIE, bem como a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) e a OMS, para reunir e compartilhar as informações mais recentes disponíveis. A OIE está em estreita ligação com sua rede de especialistas envolvidos nas investigações em curso sobre a fonte da doença. Rumores e informações não oficiais também são monitorados diariamente.

O OIE mobilizou um grupo consultivo informal sobre o vírus da Covid-19. O grupo, que inclui os principais cientistas e pesquisadores do mundo, reúne-se regularmente para compartilhar as informações mais recentes sobre eventos de pesquisa e doença na interface humano-animal.

Dadas as semelhanças entre o novo coronavírus (Covid-19) e o surgimento de outras doenças infecciosas humanas na interface entre animais e humanos, a OIE está trabalhando com seu Grupo de Trabalho sobre Animais Selvagens e outros parceiros para desenvolver um programa de trabalho a longo prazo, que visa entender melhor a dinâmica e os riscos ao redor da comercialização e consumo de animais silvestres, com o objetivo de desenvolver estratégias para reduzir o risco de futuros impactos colaterais.

PERGUNTAS E RESPOSTAS DA WSAVA

O que devo fazer se meu animal de estimação desenvolver uma doença inexplicável e estiver perto de uma pessoa com infecção por SARS-Cov-2 documentada?

Ainda não sabemos se os animais de companhia podem ser infectados pelo SARS-Cov-2 ou doentes com a Covid-19. Se o seu animal de estimação desenvolver uma doença inexplicável e tiver sido exposto a uma pessoa com a Covid-19, converse com o profissional da área de saúde pública que atende essa pessoa. Se a sua área tem um veterinário voltado à saúde pública, o funcionário de saúde pública vai consultá-lo ou a outro funcionário adequado. Se o veterinário de saúde pública do estado ou outro funcionário da saúde pública recomendar que você leve seu animal de estimação a uma clínica veterinária, ligue para a sua clínica veterinária, com antecedência, para avisá-los de que está trazendo um animal de estimação doente que foi exposto a uma pessoa com Covid-19. Isso dará tempo à clínica para preparar uma área de isolamento. Não leve o animal a uma clínica veterinária, a menos que você seja instruído por um funcionário da saúde pública.

Os veterinários devem começar a vacinar cães contra o coronavírus canino devido ao risco de SARS-Cov-2?

As vacinas para coronavírus canino disponíveis em alguns mercados globais destinam-se a proteger contra infecções entéricas por coronavírus e NÃO são licenciadas para a proteção contra infecções respiratórias. Os veterinários NÃO devem usar essas vacinas diante do surto atual, pensando que pode haver alguma forma de proteção cruzada contra a SARS-Cov-2. Não há absolutamente nenhuma evidência de que a imunização de cães com as vacinas comercialmente disponíveis forneça proteção cruzada contra a infecção pelo vírus da Covid-19, uma vez que os vírus entéricos e respiratórios são variantes distintas do coronavírus. Atualmente, não existem vacinas disponíveis em nenhum mercado para a infecção respiratória por coronavírus no cão. [Informações do grupo de diretrizes de vacinação da WSAVA].