Sistema CFMV/CRMVs unido em ações pela saúde mental dos profissionais

19 de setembro de 2019

O Sistema CFMV/CRMVs engajou-se na campanha Setembro Amarelo – Mês de Prevenção ao Suicídio. O objetivo é enfrentar o estigma que envolve o assunto e salvar vidas. Na última terça-feira (17), em uma transmissão ao vivo pelo Instagram, a médica psiquiatra Fernanda Benquerer Costa e o médico-veterinário Rodrigo Cardoso Rabelo debateram temas como síndrome de burnout, fadiga por compaixão e depressão e como os profissionais de Medicina Veterinária estão entre as categorias mais suscetíveis a esses transtornos e doenças.

Fernanda diferenciou os sintomas, salientando que burnout tem a ver com esgotamento emocional associada à questão profissional, enquanto fadiga por compaixão foi identificada mais recentemente e está muito ligada à empatia, com o cuidado característico da atuação dos profissionais de saúde. Já a depressão, diferentemente da tristeza, é composta por uma série de sintomas, entre eles perda da memória, agitação ou lentidão, pessimismo permanente e outros. “A depressão é uma alteração do funcionamento geral da pessoa”, afirmou.

Rabelo destacou que a maioria das clínicas veterinárias no país é de pequeno porte, o que gera uma sobrecarga de trabalho nos profissionais, mas diferentemente do que ocorre com outros profissionais de saúde, o burnout em veterinários tem uma forte carga de esgotamento emocional, mas exclui a despersonalização e a insatisfação profissional – esses três são os fatores que compõem as características básicas do transtorno. Para ele, o que ocorre em médicos-veterinários é uma associação entre fadiga por compaixão e burnout.

“Existe um estresse por carga de trabalho, mas temos mais que ambulante, carcereiro, taxista e policial, que trabalham mais e ganham menos. Parece que o fato de convivermos cinco vezes mais com a morte do que qualquer outra especialidade, junto a esse processo de sobrecarga e má valorização, parece que a fadiga se torna um combustível explosivo”, assinalou.

O vídeo com os melhores momentos da Live promovida pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária está disponível a seguir, bem como no IG TV, em nossa página do Instagram, e também no Facebook em nosso canal no YouTube.

O Setembro Amarelo nos regionais

Os conselhos regionais também estão promovendo ações voltadas à prevenção de transtornos mentais e do suicídio. Médicos-veterinários são um grupo de risco. Dados do Sistema Único de Saúde (SUS) revelam que a classe apresenta um risco de suicídio na taxa de 10,6 para 1 frente à população em geral.  Os Conselhos Regionais de Medicina Veterinária (CRMVs) de Bahia, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro promoveram um diálogo nas redes sociais para enfatizar a importância de manter a saúde mental e a prevenção ao suicídio em pauta. Confira a seguir o bate-papo e o Projeto Sobre(o)Viver, realizado pelo CRMV-RJ, mas voltado a profissionais de todo o Brasil.

Diálogo entre regionais

CRMV-RN

Setembro é o mês de conscientização sobre a prevenção ao suicídio – um assunto delicado, mas que precisa ser discutido em sociedade. Durante esse período, instituições, monumentos e pessoas usam a cor amarela para lembrar o movimento e levantar debate sobre o tema. Apesar de durar todo o mês, a campanha teve o dia 10 instituído como o dia nacional de combate ao suicídio. Nós também estamos juntos nessa luta! Mas, @crmvba , como é que tudo isso começou?

CRMV-BA

@crmvrn, a campanha @setembroamarelo foi criada no Brasil, em 2015, por meio de uma ação conjunta entre o @cvvoficial, o @medicina_cfm e a @abpbrasil. A cor amarela tem origem em um caso que aconteceu nos Estados Unidos, em 1994, quando Mike Emme, então com 17 anos cometeu suicídio dirigindo um carro amarelo e a família dele passou a encabeçar ações de prevenção ao suicídio e a utilizar a cor amarela, em referência à cor do carro de Mike. Embora pouco seja falado, os dados sobre suicídio impressionam (veja na imagem). Mas @crmvrj, quais são as principais causas do suicídio?

CRMV-RJ

Olá, @crmvba, @crmvrn! Não existe causa ou comportamento específico que levem ao suicídio. Mas alguns fatores podem ser observados como agravantes. Solidão, depressão, luto, perdas afetivas, problemas relacionados a dificuldades financeiras e à Síndrome de Burnout ou Síndrome do Esgotamento Profissional estão entre elas. O #Burnout é descrito como uma doença relacionada ao trabalho pelo Ministério da Saúde (MS) desde 1999 e a principal causa da doença é o excesso de trabalho. Esta síndrome é comum em profissionais que atuam diariamente sob pressão e com responsabilidades constantes, como médicos, médicos-veterinários, enfermeiros, professores, policiais, jornalistas, dentre outros. Essa síndrome pode resultar em estado de depressão profunda e por isso é essencial procurar apoio profissional no surgimento dos primeiros sintomas.

@crmvrs, aqui no #CRMVRJ nós temos o #ProjetoSobreoViver para auxiliar no cuidado da saúde mental dos profissionais, identificando situações que estão interferindo diretamente no desempenho profissional. Em outras localidades, onde é possível encontrar ajuda?

CRMV-RS

O importante, @crmvrj, @crmvba e @crmvrn, é que o assunto não seja tratado como tabu e os sinais interpretados como um pedido de ajuda, e não de fraqueza. Só com o diálogo é possível oferecer a atenção adequada ao problema e impedir que o pior aconteça. Por isso, não se pode ter medo nem vergonha de falar sobre o assunto, e ficar atento aos principais sinais para estender a mão a quem precisa. Os sintomas mais comuns são o isolamento, descuido com aparência, alterações no sono e apetite, perda de interesse pelo estudo, trabalho e atividades que gostava de praticar, e mudanças drásticas de hábitos. Frases como ‘quero desaparecer’ ou ‘preferia estar morto’ também são indicativos de necessidade de auxílio. E a conversa realmente funciona. Segundo a @OMS, 9 em cada 10 mortes por suicídio podem ser evitadas.

Projeto Sobre(o)Viver – CRMV-RJ

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Rio de Janeiro (CRMV-RJ), atento às necessidades da classe médico-veterinária e observando o crescente desânimo de alguns médicos-veterinários, exaustos ou seguindo frustrados, disponibiliza o Projeto Sobre(o)Viver para auxiliar no cuidado da saúde mental dos profissionais, identificando situações que estão interferindo diretamente no desempenho profissional.

O projeto já foi tema de um evento de três dias, em 2018, que contou com a participação de médicos-veterinários, psiquiatras, psicólogos, grupos de apoio – como Tanatovet, Centro de Valorização da Vida (CVV), Instituto Entrelaços, Instituto Valoravita e outros –, além de advogados e outros especialistas. Desde que virou ação permanente do CRMV-RJ, em maio de 2019, disponibiliza semanalmente vasto conteúdo sobre síndrome de burnout, transtorno de ansiedade, como lidar com o luto em Medicina Veterinária, imagem profissional diante das redes sociais e outros temas.

“Percebemos que o Projeto Sobre(o)Viver está ganhando uma proporção muito bacana e está atingindo o seu objetivo de ajudar os médicos-veterinários ao abordar temas tão delicados e importantes que acabam impactando na rotina veterinária”, afirma a médica-veterinária Andréa Marinho, idealizadora do projeto.

Veja mais:

Entrevista com o médico-veterinário Rodrigo Rabelo (Revista CFMV 80)

Saúde mental e trabalho: estresse, síndrome de burnout e suicídio em médicos-veterinários, (artigo técnico da Revista CFMV 80)

Estresse ocupacional e a Medicina Veterinária (artigo do Suplemento Científico da Revista CFMV 80)

Blog do Projeto Sobre(o)Viver do CRMV-RJ

 

Assessorias de Comunicação do CFMV, com informações das assessorias de comunicação do Sistema CFMV/CRMVs