“A vocação do Brasil para produção saudável de alimentos é incontestável”, diz presidente no Congresso de Higienistas de Alimentos

01 de maio de 2019

Debater a sustentabilidade agropecuária na produção, distribuição e segurança de alimentos de origem animal. Esse é o tema do 15º Congresso Brasileiro de Higienistas de Alimentos e 9ª edição para América Latina, de 30 de abril a 3 de maio, em Maceió (AL). Convidado a fazer a palestra magna da cerimônia de abertura do Congresso, o presidente do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), Francisco Cavalcanti, enfatizou que o encontro é uma experiência única para se discutir uma alimentação saudável, com foco na saúde animal e humana, aliada ao equilíbrio no uso dos recursos naturais.

Para Cavalcanti, a sustentabilidade na agropecuária começa da porteira para dentro, com a utilização de boas práticas no manejo. “Devemos sempre respeitar o bem-estar animal, com reflexos na indústria de transformação, de transporte, de armazenamento e de comercialização”.

O presidente afirmou que o avanço tecnológico do momento requer inovação em toda a cadeia produtiva, em virtude da demanda mundial por alimentos seguros. Lembrou que, hoje, o mundo tem 7,5 bilhões de pessoas, com expectativa de chegar a 9,6 bilhões de habitantes, em 2050, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). “Como alimentar tanta gente com proteína animal de qualidade, preservando e conservando o meio ambiente?”, indagou.

Nesse aspecto, Cavalcanti destacou que o Brasil produz proteína animal saudável para alimentar mais de 200 milhões de brasileiros e ainda é o maior exportador do mundo, vendendo para mais de 180 países. “Nossa vocação para a produção saudável de alimentos é incontestável”, disse.

Concluiu afirmando que “para o Brasil cumprir sua nobre missão de alimentar o mundo, dependemos de uma série de atores”, entre ele profissionais, como médicos-veterinários e zootecnistas envolvidos no agronegócio, setor responsável por um terço do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

“Entendemos o protagonismo e a responsabilidade das nossas profissões para a saúde da população e também para a economia do nosso país, desenvolvendo suas atribuições em diversas áreas, de forma integrada na saúde dos animais, dos seres humanos e do meio ambiente, constituindo, portanto, a saúde única”.

Durante a cerimônia de abertura, a presidente dos Congressos, Sibelli Passini, agradeceu o apoio institucional do CFMV ao evento. “É muito importante que o Conselho esteja novamente conosco na realização desse Congresso, que já acontece há 30 anos e reúne tantos médicos-veterinários da área de inspeção de alimentos”, disse. Ainda comemorou a reaproximação entre o Colégio Brasileiro de Médicos Veterinários Higienistas de Alimentos e o CFMV, o que permitiu, em 2019, que a entidade fosse habilitada novamente a conceder título de especialista nas áreas de Inspeção Higiênica Sanitária Tecnológica de Produtos Animais, de Tecnologia de Produtos de Origem Animal e de Saúde Pública.

Passini ainda entregou o Prêmio Professor Miguel Cioni Pardi ao médico-veterinário Germano Francisco Biondi, como reconhecimento pela sua contribuição dos serviços prestados para Medicina Veterinária na área de alimentos.

Assessoria de Comunicação do CFMV