Entrevista: Sibelli Passini Ferrão, presidente dos Congressos Latino-Americano e Brasileiro de Higienistas

05 de abril de 2019

O desafio de produzir alimentos com consciência e distribuí-los com segurança pautará o debate que, de 30 de abril a 3 de maio, reunirá mais de 800 profissionais no IX Congresso Latino-Americano e no XV Congresso Brasileiro de Higienistas de Alimentos. O evento será em Maceió (AL) e terá, como tema, “Sustentabilidade agropecuária e alimentar: produção, distribuição e segurança”. 

O evento está em seu 30º ano e já se consolidou no meio científico como uma oportunidade para as discussões sobre os avanços nas áreas de Ambiente, Higiene, Inspeção e Ciência e Tecnologia de Alimentos.

A médica-veterinária Sibelli Passini Ferrão, da Comissão de Tecnologia e Higiene Alimentar (Contha), do Conselho Federal da Medicina Veterinária (CFMV), é presidente dos congressos. Na entrevista a seguir, assinala que as discussões em torno do tema central são importantes para a apresentação de tendências e inovação na produção de alimentos seguros e de qualidade.

1. Neste ano o Congresso comemora 30 anos de sua realização e está em sua 15ª edição. O que ele traz como diferencial em 2019?

Para esta edição estamos abordando temas que estão traçando as mudanças na alimentação, com foco em segurança e sustentabilidade, a reflexão sobre essas mudanças ao longo de 30 anos. A presença de palestrantes internacionais, de Portugal e da Argentina, reforça a apresentação do que vem ocorrendo no mundo.

Na programação do evento ainda acontece o VII Encontro do Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos e Origem Animal. E o CFMV aproveitará a oportunidade para realizar a IV Reunião Ordinária da Contha e o encontro com as Comissões Regionais, para alinhamento de estratégias de trabalho para o biênio 2019/2020.

2. O tema do Congresso é “Sustentabilidade agropecuária e alimentar”. Por que a escolha desse assunto e qual a relevância do debate para a produção, distribuição e segurança dos alimentos?

Nos dias atuais, é impossível pensar em produção de alimentos sem a preocupação com a sustentabilidade. O grande desafio hoje é produzir com consciência e, ao mesmo tempo, distribuir com segurança frente às mudanças mundiais e ao aumento da população. Por isso, a escolha de um tema tão atual e com várias vertentes de discussão.

Acreditamos que o elevado nível da programação científica e a maturidade no campo dos alimentos, saúde e meio ambiente traduzem a vontade de todos que participam nos congressos em propor e vivenciar mudanças.

3. Além das mesas-redondas, o Congresso vai premiar trabalhos científicos em dez áreas temáticas. A Comissão Científica recebeu quantos trabalhos? Quais as áreas que se destacaram e em quais receberam trabalhos inovadores?

Recebemos 824 trabalhos, divididos nas diferentes áreas temáticas, com maior número de envio para as áreas de “Higiene e Segurança dos Alimentos”, “Físico-química dos alimentos” e “Processamento de Alimentos”. Os 24 melhores trabalhos indicados pela comissão científica terão apresentação oral e serão publicados e indexados pela Revista Higiene Alimentar, em uma edição especial.

4. No penúltimo dia do Congresso ainda serão apresentadas três experiências bem-sucedidas. Receberam quantos trabalhos e em que áreas? Quais foram as ideias selecionadas e o que elas trazem de novidade?

Há mais de dez anos incluímos cases de sucesso nas atividades do evento. Neste ano, recebemos 22 experiências – seis foram selecionadas para apresentações orais e, destas, três serão premiadas. Os trabalhos tratam de atividades práticas inovadoras, que envolvam populações ou grupos sociais e relacionadas aos alimentos e/ou alimentação, saúde pública, higiene dos alimentos, ambiente e outras que tenham sido realizadas no âmbito dos municípios ou estados e que já tenham sido implantadas. A comissão responsável selecionou trabalhos que atenderam a critérios de envolvimento das pessoas, clareza de propósitos, objetivos atingidos e abrangência social do trabalho.

Assessoria de Comunicação do CFMV