Fiscalização do exercício profissional é destaque em evento sobre práticas desportivas que utilizam animais

02 de abril de 2019

O presidente do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), Francisco Cavalcanti de Almeida, participou na última quinta-feira (28) da mesa de debate sobre “Bem-estar animal em práticas desportivas que utilizem animais, desde que sejam manifestações culturais”, realizada durante a EXPORINGO, no município de Lagarto (SE). Também fizeram parte da discussão Antônio Eurico Vieira Travassos, da Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM), Tatiana Figueiredo, médica-veterinária do Haras FJ e Marcos Stuart Gomes Lima, presidente da Associação Brasileira de Vaquejada (ABVAQ).

O presidente do CFMV destacou a importância da participação do médico-veterinário nas práticas desportivas que utilizem animais e a consolidação da Resolução do CFMV 1236, que define e caracteriza crueldade, abuso e maus-tratos contra animais vertebrados e dispõe sobre a conduta de médicos veterinários e zootecnistas. Almeida também falou sobre papel do Conselho na fiscalização das profissões e contribuição delas para saúde pública. “Temos que melhorar a comunicação com a sociedade e a aprimorar a regulamentação da Emenda Constitucional nº 96 de 2017, combater a irregularidade sob a sistematização de critérios técnicos de bem-estar animal”, relatou.

Travassos explicou o conceito de bem-estar animal e seu contexto histórico e social na vaquejada. “Houve alteração da relação entre os seres humanos e os animais, refletindo diretamente sobre o conceito de bem-estar animal. Tais mudanças fizeram com que a sociedade exigisse que os profissionais da produção animal adaptassem suas tecnologias, práticas de manejo e cuidados em geral visando proporcionar um nível de bem-estar mínimo aos animais”, afirmou.

A valorização e importância dos zootecnistas e médicos-veterinários no bem-estar do animal e na qualidade dos produtos e serviços produzidos nas atividades pecuárias foram ratificados pela médica-veterinária Tatiana Figueiredo, em seus apontamentos.

Ao apresentar dados econômicos, o presidente da ABVAQ mostrou a importância da vaquejada para o Brasil. “O esporte movimenta mais de 189 milhões de reais por ano. Os números mostram a grande importância da vaquejada na geração de renda e empregos no campo, promovendo ainda a manutenção do homem no meio rural”, disse.

Ao final da discussão, o grupo levantou críticas e sugestões para melhorar a divulgação sobre a importância do bem-estar animal em práticas desportivas que utilizem animais, desde que sejam manifestações culturais e como sensibilizar a população para poder discernir o que é prática legal e/ou ilegal.

Assessoria de Comunicação do CFMV