Coordenadora da USP afirma que acreditação dos cursos pelo CFMV é um marco para qualidade do ensino superior no País

27 de julho de 2018

Em entrevista à Assessoria de Comunicação Social do Conselho Federal de Medicina Veterinária, a coordenadora da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, da Universidade São Paulo (FMVZ-USP), Mayra Ortiz Assumpção, afirma que o processo de acreditação dos cursos de graduação do Conselho sinaliza seriedade para a comunidade externa, demostrando que o órgão regulador está preocupado com a qualidade do profissional que chega ao mercado de trabalho.

O principal objetivo do projeto de Acreditação do CFMV é estimular o sistema de autoavaliação para que as instituições enxerguem potenciais de melhorias. Nesse aspecto, a coordenadora revela que foi a parte mais importante: “Aprendi tanto... e percebi nos alunos um sentimento de pertencimento e de fazerem parte da construção de um processo”.

Segundo ciclo

As Instituições de Ensino Superior (IES) interessadas em participar do segundo ciclo de Acreditação do Conselho já podem se preparar. O edital será lançado em 30 de julho, durante o Fórum das Comissões Nacional e Regionais de Educação da Medicina Veterinária, em Brasília.

A candidatura dos cursos é voluntária e não substitui o reconhecimento já realizado pelo Ministério da Educação (MEC). O processo de candidatura e avaliação é sigiloso. O objetivo é aferir a qualidade dos cursos e tornar transparente a excelência do ensino superior para a sociedade e para as próprias instituições. O selo serve como referência para gestores educacionais, docentes, a sociedade em geral e, sobretudo, para estudantes que buscam cursos com qualidade comprovada.

No primeiro processo de Acreditação do CFMV, promovido em 2017, 12 cursos se candidataram. Desses, cinco foram selecionados para avaliação, sendo que dois não atingiram a pontuação mínima para serem acreditados. Os outros três cursos de Medicina Veterinária receberam selo de Acreditação com Excelência: Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Botucatu; a Universidade Federal de Lavras (Ufla); e a Universidade de São Paulo (USP).

Confira a íntegra da entrevista da coordenadora da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, da Universidade São Paulo (FMVZ-USP), Mayra Ortiz Assumpção?:

1. Como coordenadora universitária e médica veterinária, como enxerga a importância do processo de acreditação do CFMV e o que representa para universidade conquistar um selo de excelência?

Mayra Ortiz Assumpção?: Vejo uma importância enorme no processo de Acreditação. Internamente serviu para que a Instituição olhasse para dentro dela, foi um processo de autoconhecimento fundamental. No dia a dia, muitas vezes, não temos conhecimento de tudo o que acontece na Unidade, e se preparar para o processo nos permitiu isso e foi enriquecedor.

Para o país, o processo de acreditação é um marco. É a sinalização para a comunidade externa que o CFMV está preocupado com a quantidade exorbitante de escolas de veterinária que o Brasil possui e que esse órgão regulador está preocupado com a qualidade de nosso profissional. Sinaliza seriedade.

Para a Universidade, conseguir esse selo foi a confirmação de que estamos no caminho certo. Oferece ao nosso aluno credibilidade. Para nós pelo que estamos ensinando e para eles pelo que estão aprendendo, ou seja, se sentem mais confiantes.

2. Como o selo de acreditação do CFMV pode contribuir para a melhoria da qualidade do ensino nas universidades?

Mayra Ortiz Assumpção?: A comissão de acreditação, durante os dias que ficaram na Faculdade, nos avaliaram e emitiram um relatório. O documento serve de norte para as novas políticas. Apontaram as nossas deficiências, nos orientaram em que podemos melhorar e ter essa avaliação externa é de suma importância, pois auxilia o diretor, a comissão de graduação e a coordenadoria de curso a embasar mudanças e melhorias.

3. E os reflexos no mercado de trabalho, é possível fazer essa relação de melhoria também?

Mayra Ortiz Assumpção?: A médio e longo prazo, os alunos provenientes de escolas acreditadas poderão ser favorecidos em entrevistas de emprego, servindo de decisão, em casos de dúvida e empates. O empregador terá um selo pelo qual ele poderá embasar a decisão de contratar ou não um profissional.

Também vejo a médio e longo prazo uma relação mais estreita entre Instituições Internacionais e Universidades Brasileiras que tenham esse selo de Acreditação. Hoje já passamos por situações assim, ao se tentar estabelecer um convênio com instituições internacionais a mesma exige selo de acreditação.

4. Quais foram os indicadores que permitiram à USP conquistar o selo de acreditação?

Mayra Ortiz Assumpção?: A FMVZ-USP é uma escola centenária. Por conta disso a comissão avaliadora apontou como potencialidades:

• Corpo docente altamente especializado, comprometido, produtivo e com dedicação integral à docência e à pesquisa;

• Corpo técnico eficiente e eficaz revelando perfis profissionais multifacetados/interdisciplinaridade;

• Boa interação entre estudantes de graduação, residência e pós-graduação;

• Ações universitárias voltadas para a comunidade local e regional;

• Casuística diversificada e em grande número no Hospital Veterinário;

• O programa de iniciação científica e, sobretudo, as atividades de extensão universitária;

• Esforços no caminho para o estabelecimento da dupla diplomação com instituições de língua latina;

• Fazenda escola em Pirassununga muito bem estruturada e com sistemas de criação consolidados e disponíveis para utilização dos estudantes do curso de medicina veterinária;

• A existência da Comissão de Direitos Humanos;

• Biblioteca com acervo diversificado;

• Hospital Veterinário com equipamentos disponíveis muito bons, atualizados e largamente suficientes para a consecução das atividades pedagógicas de graduação e pós-graduação;

• Laboratórios didáticos especializados muito bem equipados, com área física apropriada.

5. O principal objetivo do projeto de acreditação do CFMV é estimular o sistema de autoavaliação para que as instituições promovam uma reflexão interna e avaliem os potenciais de melhorias. Como foi esse processo de reflexão e quais os frutos dessa análise? É possível citar melhorias identificadas e já implementadas?

Mayra Ortiz Assumpção?: Para mim essa foi a parte mais importante do processo. Após um mês de trabalho árduo e exaustivo, preparando o relatório, o sentimento da Comissão era de júbilo. Aprendi tanto, tive conhecimento de coisas que nem imaginava existir dentro da faculdade. Senti nos alunos, também um sentimento de pertencimento e de fazerem parte da construção de um processo. Os frutos dessa análise surgiram em diferentes níveis. Pessoal, mudanças de atitude, de conhecimento com o que estava ocorrendo ao redor. Mudanças de política administrativa, por exemplo, uma das nossas fragilidades era não ter institucionalizado o Grupo de Apoio Pedagógico (GAP), hoje já temos esse grupo instituído e já realizando reuniões e discussões. Sendo que uma das primeiras discussões, solicitadas pela Comissão de Graduação foi referente ao processo de avaliação, outra fragilidade apontada pela Comissão Avaliadora.

6. Quais são os diferenciais do curso de Medicina Veterinária da USP?

Mayra Ortiz Assumpção?: Por se tratar de um curso concorrido para a melhor Universidade da América Latina, a excelência do aluno é algo indiscutível. Com relação ao ensino, a qualidade do corpo docente, a integração desse com a pesquisa e o emprego dessa na graduação faz com que o aprendizado seja diferenciado. Outro grande diferencial que temos são aulas práticas com uso de animais e ter um Hospital Veterinário com a maior casuística da América Latina. O aprender fazendo faz toda a diferença.

7. A USP tem se preocupado em investir na área de gestão para que os futuros médicos veterinários tenham condições de gerir seus negócios? Como isso ocorre?

Mayra Ortiz Assumpção?: Sim, é uma preocupação da Faculdade. Há uma disciplina de Gerenciamento e havia uma disciplina optativa de empreendedorismo. É algo que precisamos aperfeiçoar. Em vista disso, está em processo de construção disciplinas optativas de Gestão aplicada para médicos veterinários (15h), Gestão do agronegócio (15h) e Gestão do mercado pet (15h). A ideia é já entrarem no currículo em 2019/20120.

Leia também:

Acreditação dos cursos pelo CFMV reflete na valorização do médico veterinário perante o mercado, diz a coordenadora da Unesp

Segundo ciclo de Acreditação dos cursos de Medicina Veterinária começa no final de julho

Assessoria de Comunicação do CFMV, Foto: Portal FMVZ-USP