Sistema CFMV/CRMVs publica nota em Defesa da Qualidade do Ensino da Medicina Veterinária e Zootecnia

07 de junho de 2018

Entre os dias 05 e 06 de junho, aconteceu a 2ª Câmara Nacional de Presidentes do Sistema CFMV/CRMVs, durante o 39º Congresso Brasileiro da Anclivepa e XV Congresso Internacional FIAVAC – ExpoAnclivepa: feira de produtos e serviços, no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro (RJ).

               Presidentes e Representantes dos Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária

Além dos assuntos pertinentes à rotina administrativa dos Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária, outro ponto discutido pelos presidentes dos 27 estados brasileiros representados foi a defesa da qualidade do ensino da Medicina Veterinária e da Zootecnia, sobretudo, a preocupação do Sistema CFMV/CRMVs em relação à oferta de cursos de Graduação dessas Ciências na modalidade de Ensino à Distância (EAD).

A reunião dos presidentes originou uma Nota em Defesa da Qualidade do Ensino da Medicina Veterinária e da Zootecnia, que, dentre alguns pontos, ressalta que a Medicina Veterinária e a Zootecnia são profissões de formação iminentemente técnicas e práticas, sendo exclusivamente sob a modalidade presencial.

E o Sistema CFMV/CRMVs, como órgão de orientação, fiscalização e regulamentação profissional, apoia e dá suporte à formação de excelência dos profissionais e, como instância de defesa dos interesses da sociedade nos assuntos relativos à Medicina Veterinária e Zootecnia, manifesta total desacordo com a homologação de cursos nesta modalidade, sob pena dos profissionais egressos não estarem devidamente preparados para a prática dessas profissões que lidam, de diversas formas, com a saúde pública.

O presidente do CFMV, Francisco Cavalcanti de Almeida, os representantes dos CRMVs, o diretor da Academia de Medicina Veterinária do Estado do Rio de Janeiro (AMVERJ) e o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Higiene e Saúde Pública assinaram o documento, que será encaminhado ao ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva.

               Francisco Cavalcanti de Almeida assina documento.

Nota na Íntegra:

Nota em Defesa da Qualidade do Ensino da Medicina Veterinária e da Zootecnia

Os Presidentes do Conselho Federal e Regionais de Medicina Veterinária, da Academia de Medicina Veterinária do RJ e da Sociedade Brasileira de Higiene e Saúde Pública, que abaixo subscrevem vêm, através da presente nota, defender a qualidade do ensino da Medicina Veterinária e da Zootecnia e apresentar sua extrema preocupação quanto ao ensino na modalidade EAD (ensino à distância). A Medicina Veterinária e a Zootecnia são profissões de formação iminentemente técnica e prática. É obrigatório às instituições de ensino superior vinculadas ao exercício destas profissões nos cursos de graduação, ministrarem seus conteúdos teórico-práticos, com ênfase nas áreas de saúde animal, clínica médica e cirúrgica, Medicina Veterinária Preventiva, saúde pública, zootecnia, produção animal, inspeção e tecnologia de produtos de origem animal e nutrição animal, exclusivamente sob a modalidade presencial. Paralelamente aos conteúdos teóricos e práticos, temos a questão dos estágios curriculares. Turmas em EAD inviabilizam estágios com supervisão acadêmica e de campo articuladas. A supervisão e a orientação para os estudantes passam a ser no máximo transmissão de informações, mas jamais formação profissional. As competências e habilidades na área da Medicina Veterinária e Zootecnia são diretamente relacionadas com o cuidar do animal e seus produtos, que consiste na intervenção eficaz, mediante ações interrelacionadas, competências atitudinais, procedimentais e conceituais. O Sistema CFMV/CRMVs, como órgão de orientação, fiscalização e regulamentação profissional, apoia e dá suporte à formação de excelência dos profissionais e, como instância de defesa dos interesses da sociedade nos assuntos relativos à Medicina Veterinária e Zootecnia, manifesta total desacordo com a homologação de cursos nesta modalidade, sob pena dos profissionais egressos não estarem devidamente preparados para a prática dessas profissões que lidam, de diversas formas, com a saúde pública. Assim, em defesa da qualidade do ensino da Medicina Veterinária e da Zootecnia, requeremos veementemente ao Sr. Ministro de Estado da Educação, Rossieli Soares da Silva, a não autorização de cursos de Medicina Veterinária e Zootecnia na modalidade EAD. Rio de Janeiro, 6 de junho de 2018.

 

Assessoria de Comunicação do CFMV, com informações da Assessoria de Comunicação do CRMV-RJ